Tag Archives: educação

Sobre Fazer Intercâmbio

9 dez

“Eu não sabia exatamente como começar a fazer esse texto, mas finalmente estou começando a escrever. Intercâmbio é um sonho, um sonho de muitas pessoas, mas nem todas tem a grande e incrível oportunidade de realizá-lo. E eu tive. Depois de muita insistência. Muito choro. Muitos pedidos. Muitas escolhas. Mas eu consegui! Mais um sonho realizado com sucesso, e agradeço por isso.

O que eu posso falar sobre essa experiência? Bem… Intercâmbio é abrir mão de uma vida inteira. Da sua vida. De tudo e de todos que você conhece. Dos seus costumes e práticas. Intercâmbio é perrengue, é dificuldade, é saudade (e muita saudade). Mas intercâmbio também é amor, felicidade, variedade.

Intercâmbio é aprender a viver de um modo completamente fora da zona de conforto. Intercâmbio é conviver com pessoas “estranhas”, a quem você não tem em quem confiar (no começo). Intercâmbio é desamparo. É se sentir perdido, em outro mundo, com medo do que está por vir. É estranho, inicialmente. Você não se sente confortável nem para pegar um biscoito no pote. Intercâmbio é mais do que um grande mix cultural. É mais do que aprender outro idioma. É mais do que conviver com pessoas diferentes todos os dias. Intercâmbio é realizar que estamos no lugar ideal para crescer. E crescer não só intelectualmente, mas crescer espiritualmente. É aprender não só lidar, mas aceitar as diferenças. É vivenciar momentos inesquecíveis. É se sentir livre, o dono do universo. Intercâmbio é uma escolha. Intercâmbio é um risco. Intercâmbio é uma experiência de vida.

Quatro meses, seis ou um ano. O tempo longe é difícil, todos os intercambistas sentem! Longe da família, dos amigos, da comida típica do seu país, da sua escola, das festas e do seu banheiro não compartilhado com toda a casa (e eu juro que essa é uma saudade forte). Intercâmbio é aceitar regras, e quebrar algumas. Intercâmbio é estar sujeito à tudo e todo tipo de família hospedeira. Intercâmbio é uma vontade, uma vontade de quem está disposto e quem tem coragem em apostar na sorte. Intercâmbio é viver intensamente em outro país. Intercâmbio é ser o dono de si pela primeira vez na vida. É aprender a arrumar cama, lavar roupa e cozinhar. Intercâmbio é passar frio, e MUITO frio. Intercâmbio é se perder antes de se achar. E as vezes, quando você acredita que se achou, acaba se perdendo de novo. Intercâmbio é criar senso. Intercâmbio é dar satisfação para além dos seus pais. Intercâmbio, ao contrário do que muitos acham, é responsabilidade. Intercâmbio é viajar o mundo numa só fase. Intercâmbio é conhecer gente de todo o planeta. Intercâmbio é aprender palavras (adequadas ou não) de outras línguas, em italiano ou em francês. É ouvir outros estudantes discutirem qual idioma é o mais difícil, se é alemão ou eslovaco. Intercâmbio é perceber o quão maravilhoso é poder vivenciar tudo isso. Estados Unidos, Inglaterra, Canadá ou Austrália. Alemanha, Portugal, França ou Suíça. Cada experiência conta. Cada experiência é diferente. Intercâmbio é não criar expectativas, e eu sei o quanto é difícil. Intercâmbio é aceitar os contras e agradecer pelos prós. Intercâmbio é ter aquele professor chato, que passa muito dever e não gosta de pessoas de outra nacionalidade. Mas intercâmbio também é ter aquele legal, que te entende, que apoia suas vontades e necessidades, além de brincar com você na aula. Intercâmbio não é estudo, e passa longe disso. Intercâmbio é farra, isso é fato. É jogar na mão de Deus e sair pela cidade de madrugada à procura do que fazer e sem hora para voltar. Ah, mas quando voltar, tem que ser de fininho, afinal, aqueles que estão dormindo não são os seus pais. Intercâmbio é medo de errar, mas acabar errando muito. Intercâmbio é descobrir coisas novas. É comer o que não gosta (e o que detesta também). Intercâmbio é rezar esperando um jantar que você tenha prazer em comer. Intercâmbio é engordar, não tem como fugir disso. Intercâmbio é sair totalmente da rotina. Intercâmbio é encher seu corpo, alma e coração com as novas vivências. Intercâmbio é se achar na vida. É uma reflexão pessoal. É abrir mão de muita coisa boa, e ser retribuído também. Intercâmbio é se virar nos trinta! Intercâmbio é fazer novas amizades e criar novos laços. Intercâmbio é se apaixonar por um(a) nativo(a) ou por outro(a) intercambista. Intercâmbio é investir em pessoas diferentes. É apostar na boa vontade de cada um. Intercâmbio é estar sujeito a receber todo o tipo de grosseria ao tirar uma dúvida, seja na aula ou seja para se localizar. Intercâmbio é ser cem por cento dependente do Google Maps. É pegar ônibus, trem, táxi e metrô. Intercâmbio é se assustar com os preços, é economizar, aprender o valor de verdade do dinheiro e tentar sobreviver com o resto dele que você gastou no primeiro mês. Intercâmbio não é uma viagem com os pais. Intercâmbio é aprender a levantar depois de cair muito. É errar o caminho de casa, da escola, do centro nos primeiros dias. É pegar o trem errado ou passar da estação certa. Intercâmbio é andar como você nunca andou antes. Intercâmbio é loucura. Intercâmbio é surtar.

Intercâmbio é se surpreender com tudo e todos. É aprender de uma vez por todas quem realmente se importa com você. Intercâmbio é valorizar cada vez mais as amizades verdadeiras e criar coragem para abrir mão das falsas. É de fato começar a não se importar mais com o que estão pensando de você, afinal, você está do outro lado do mundo. Intercâmbio é ter a chance de mudar, mudar para melhor. De evoluir, criar juízo e crescer, como eu já disse. Intercâmbio é saber que você vai se sentir completo pelo tempo que a experiência durar, mas que depois, o vazio vai permanecer pelo resto da sua vida. Intercâmbio é sentimento. É se entregar. É ser quem você sempre quis ser, mas dessa vez, sem alguma repreensão. É mudar o pensamento, o estilo e o paladar. É chorar, rir muito e aproveitar. Intercâmbio é literalmente sorte nas cartas. E caso você ache que não consegue suportar o pior, não desista. Vai servir para a vida. Intercâmbio é se abrir com outras pessoas. É criar intimidade e simpatia por essas mesmas. Intercâmbio é se preencher, e se sentir, pela primeira vez, completamente zerado. Sentir que não precisa de mais nada e mais ninguém. Se sentir bem. Bem consigo mesmo, bem com sua situação, bem com todos ao seu redor.

Agora, como qualquer experiência inesquecível, tudo sempre tem seu fim. Você vai chorar e sentir seu coração despedaçado espalhado pelo mundo todo. É sentir saudade de tudo. Da família hospedeira, das festas, das novas amizades, das tradições do país, de andar na rua à noite e se sentir seguro, das loucuras e surtadas, de tudo, menos do banheiro compartilhado com o resto da sua casa. Intercâmbio é dizer adeus, quando você não está preparado para retornar. Quando você não está preparado para abandonar sua nova rotina, seus novos amigos, sua nova família, sua nova vida. Intercâmbio é voltar para seu país realizado, com a certeza de que viveu os melhores momentos da sua vida. É saber que nunca mais haverá nada parecido com isso. É ter noção que foi uma escolha. Sua escolha. Afinal, a saudade é o preço que precisamos pagar por vivermos meses, histórias, dias e noites tão inesquecíveis quanto foram. “

(Beatriz Mosselman)

Me emocionei!!!!

Bjs

Nanda

Educação Moderna

23 out

No século passado as crianças eram educadas de forma mais rígida e com muitas regras mais. Sabiam os seus lugares na família e todas tinham responsabilidades dentro de casa.

Nos tempos de hoje, a educação seguiu um novo rumo. Nem mesmo simples palmadas, que nunca fizeram mal, podem ser aplicadas como corretivo. Tudo é baseado em muita conversa e orientação.

O problema é que nem todos os pais possuem uma pitada de psicologia em sua forma de ser ou dedicam mais tempo ao convívio familiar. E o resultado pode ser desastroso.

Sou adepta do meio termo entre a rigidez e a boa conversa. Regras são estabelecidas e devem ser cumpridas, responsabilidades são compartilhadas e a harmonia e confiança são fundamentais para um bom convívio.

Mas, que uma boa palmada de vez em quando faz falta, ah isso faz!!!!

Bjs

Nanda

Dia do professor

15 out

Parabéns a todos os professores!

Que bom que temos um dia para homenagearmos aqueles que foram tão importantes para o nosso desenvolvimento intelectual. Que bom que podemos lembrar daqueles que fizeram diferença para a nossa educação.

Nos dias de hoje, a magistratura é uma carreira tão pouco procurada devido à falta de valor que atribuímos àqueles que contribuíram tanto para o nosso conhecimento.

Desconheço alguém que tenha alcançado o sucesso sem um professor para lhe ensinar as noções básicas do conhecimento.

Tive oportunidade de ter vários professores que fizeram diferença em minha vida. Alguns ainda na pequena infância, na minha escolinha do coração, Gurilândia, como Tia Vera; outros no decorrer da minha vida no Marista, como Lourdes Dantas, Eliana, Dadá e Zé Carlos; mais alguns na minha graduação profissional, como José Esper e outros tantos que os nomes me fugiram nesse momento.

Aproveito este dia para homenagear a todos os professores e incentivá-los a não desistirem dessa carreira tão importante na vida de todos.

Bjs

Nanda

Enrolação de adolescente

10 out

Ô fase difícil é essa adolescência. São contestadores, donos da verdade e desafiadores dos limites. Se acham adultos como se já tivessem toda a experiência do mundo.

Confesso que perco a paciência explicando os motivos que nós, pais, temos para dizer não e educá-los com alguma rigidez. Tudo isso cansa muito mas, fazer o quê?

Essa turminha é da pesada e não vê perigo em nada. Acredita que são superiores a todos os riscos e incapazes de sucumbirem a alguma tragédia.

Não estou sendo dramática mas, acho que a idade já está me deixando meio sem paciência. Tem horas que finjo de morta e não escuto o que estão falando e em outros momentos grito feito uma louca. Só assim para me escutarem.

O consolo é saber que tudo passa…

Bjs

Nanda

Carta a todos os filhos

9 out

Realmente eu fico me perguntando se eles entendem as palavras que nós, pais, falamos. Acho que a comunicação entre pais e filhos tem ficado muito difícil.

Os pais têm obrigação de passar os bons ensinamentos e princípios fundamentais para que os filhos se tornem pessoas maduras, fortes, decentes e com um futuro feliz. Esperamos que eles se realizem em todas as áreas mas, pedimos apenas, moderação e respeito.

Eles estão na idade do querer, de testar todos os limites, de correr riscos, de enfrentar seus medos. E nós, pais, temos a obrigação de guiar seus caminhos, estabelecer limites, dizer vários “nãos” e observar os seus crescimentos.

A aceitação do não faz parte do crescimento de uma pessoa e eles não compreendem e não aceitam bem as negativas. Elas não são para o mal. Elas os farão mais fortes.

Bjs

Nanda

Organização financeira

26 set

Sou da teoria que devemos treinar os nossos filhos para que eles criem um senso de organização financeira desde cedo. Isso não é fácil, principalmente quando a grana é pouca e a despesa muito variada.

O detalhe é que sem planejamento não tem riqueza que sobreviva, nem sonho que se realize, nem futuro próspero.

Por mais difícil que pareça, e realmente é, nós precisamos fazer conta e eleger prioridades para fazer o nosso dinheiro render. Não adianta pensar que a despesa sendo pequena não vai impactar no orçamento.

É por isso que acredito na importância de uma mesada na vida de um adolescente. Ele precisa aprender a sobreviver com aquela remuneração certa e a administrar

os seus gastos como gente grande. Dizem que “é de menino que se torce o pepino” e eu acredito que quanto mais cedo se aprende sobre educação financeira, mais provável é que ele se torne um adulto controlado e planejado.

Bjs

Nanda

Vontade das filhas

15 jul

Claro que sou como toda a maioria dos pais e desejaria realizar todos os desejos das minhas filhas. Mas, como a vida não é um conto de fadas, seria irresponsabilidade da parte se eu fizesse isso.

Além do mais, para os adolescentes de hoje, o céu é o limite quando este limite se trata de desejos. Não seria um absurdo encontrar um deles por aí pedindo a lua ou o sol de presente.

Gosto de mostrar a realidade e a necessidade de se conquistar o que se quer. Tem que desejar, sonhar, ralar para conseguir, merecer e, muitas vezes, se frustrar e não almejar o objetivo.

Mesmo podendo, digo vários nãos pois acredito que eles fazem parte do estilo de educação que dou para as minhas filhas. E tenho dito.

Bjs

Nanda

%d blogueiros gostam disto: