Arquivo | Cotidiano RSS feed for this section

Errar duas vezes é burrice

25 mar

Não basta ser inteligente, precisamos ser espertos para aprendermos com as nossas experiências. Para que tanta teimosia e achar que já sabemos de tudo se podemos quebrar a cara? Muito melhor e mais sensato é ouvir o conselho das pessoas, refletirmos e aprendermos com as nossas próprias vivências.

Não adianta querer fazer as coisas do nosso jeito se elas sempre vão acabar do mesmo jeito. Precisamos nos reinventar nessa vida e as novidades devem ser bem vindas. Para que criticarmos o progresso e a tecnologia se eles só servem para o nosso próprio conforto?

Vejo muita gente cabeça dura por aí que não aceita mudar a forma de ser e agir e fica insistindo em fórmulas que já deram errado. Costumo chamar isso de burrice! Prefiro andar e olhar para frente e absorver todos os ensinamentos que a vida me dá.

Bjs

Nanda

Meus problemas, seus problemas…

22 mar

Na maioria das vezes as pessoas buscam atenção e carinho das outras pois se acham injustiçadas e que seus problemas são maiores que os das outras pessoas.

Mas eu acredito muito no ditado que diz: “Deus dá o frio conforme o cobertor.” Eu não acho que alguém carregue um peso maior que aquele que possa suportar.

Sou uma pessoa reservada e não gosto de ficar compartilhando meus problemas com ninguém. Tento resolvê-los da melhor forma possível, incomodando os outros o mínimo possível.

Não tenho paciência para ficar ouvindo problema de A, B ou C nos meus ouvidos desde a hora do café da manhã. Cada um com os seus e fim de papo. Que mania que as pessoas têm de se lamentar, de reclamar, de chorar por tudo. Acho isso um verdadeiro porre.

Tem gente que não entende e acha que nossos ouvidos são penicos para ouvirmos todos os tipos de lamentações. Detesto! Quando chego no trabalho, meus problemas ficam em casa e sou só sorrisos. As pessoas nada tem a ver com aquilo que estou passando. Elas só esperam o melhor de mim e é isso que terão!

Bjs

Nanda

Quanto vale o meu trabalho?

21 mar

Estou acostumada a trabalhar com os mais diversos tipos de pessoas e sempre ouço algumas reclamações quanto aos salários que recebem, ou a quantidade de horas que trabalham ou por se sentirem desvalorizados. E sempre gosto de refletir sobre o assunto.

Será que essas pessoas realmente sabem quanto vale o trabalho delas? Quando eu começo a analisar vejo muitas reclamações sem sentido… Encontro gente que acha que trabalha demais e nem sempre cumpre as quarenta e quatro horas semanais, ao menos. Vejo gente querendo aumento salarial e que não procura se aperfeiçoar na função, nem se dedicar a fazer um serviço melhor. Acha que fazendo sempre o mais do mesmo está mais do que bom.

Vejo gente que acha que o patrão é um bicho papão só porque ele é exigente na qualidade do serviço e na pontualidade do mesmo. Mas, se ele está pagando por isso, ele deve receber o trabalho bem feito, não acham?

Vejo empregados achando que podem faltar ao trabalho sem nenhuma explicação, que podem ficar ao celular todo o tempo e podem fingir que cumprem as obrigações pois ninguém irá notar. E ainda reclamam que são mal remunerados!!!!

Vejo muita falta de bom senso!

Bjs

Nanda

Educação dos filhos

20 mar

É claro que sei que não existe uma fórmula certa para educar os filhos. Até mesmo porque cada filho é diferente do outro e as atitudes que funcionam com um podem não funcionar com o outro.

Mas, dá para ver claramente quando uma forma de educação não funciona ou, simplesmente, não vai funcionar. Aquelas crianças que são acostumadas a conseguirem tudo o que querem, não precisarem desejar nada, nem fazerem por merecer, não crescerão sabendo o valor que as coisas possuem.

Nunca vi filhos de pais ricos, que sempre tiveram tudo nas mãos, darem certo na vida. Eles não precisaram suar a camisa, nem trabalhar duro para construírem seus impérios. Pior ainda, quando isso acontece com os filhos de pais pobres. Estes, coitados, serão sempre uns coitados.

Independentemente de terem ou não recursos financeiros, precisam aprender a dar valor ao trabalho e a cada conquista para que se tornem adultos com força para vencer os obstáculos que a vida promove.

Nada de vida boa, nada de graça, só mesmo com muito estudo e trabalho as vitórias surgirão.

Eu prefiro criar minhas filhas mostrando o lado duro da vida e mimar meus netos, no futuro que me aguarda.

Bjs

Nanda

Viajando com os filhos

19 mar

Graças a Deus eu já passei da fase de carregar tralhas e mais tralhas de crianças. A época das fraldas e mamadeiras já se foi faz tempo e isso traz uma sensação de liberdade. Também não preciso colocar ninguém para dormir, nem me preocupar se estão com fome, cansadas ou com frio. Agora eu me preocupo somente comigo!

As viagens com as filhas passaram a ser muito mais deliciosas! São momentos de integração familiar, de troca de experiências, de aprendizado, de cultura.

São nas viagens que nos conhecemos melhor, que descobrimos mais do que cada uma pensa, dos gostos, dos sonhos e pensamentos futuros.

É dando a volta ao mundo que nos surpreendemos com as formas de pensar de nossos filhos, suas expectativas, suas ações e reações e podemos treiná-los para as diversas situações da vida.

Não me canso de viajar com minhas filhas e, menos ainda, com a minha mãe! Afinal de contas, eu também sou filha!

Bjs

Nanda

Classe Econômica

18 mar

Viagem de avião em classe econômica já foi bom. Nos dias de hoje eu considero um verdadeiro martírio. Pagamos muito caro por um serviço sofrível!

Não gosto de dar vida fácil para minhas filhas. Quero que elas saibam dar valor às boas coisas da vida e, portanto, corram atrás para consegui-las. Afinal de contas, tudo o que vem de mão beijada não é valorizado. Então, viajo sim de classe econômica com elas para que saibam que a vida pode ser melhor.

Mas… infelizmente, vejo uma série de falta de respeito por parte das empresas com os usuários. As filas são intermináveis, o direito à bagagem chega a ser ridículo e o conforto, nem devemos comentar. Os espaços entre os assentos estão cada vez menores e, daqui a algum tempo, voaremos uns por cima dos outros. (Eu é que não voarei mais assim…)

O direito a uma bagagem de mão deixou de existir faz tempo e nossas maletas são jogadas ao porão, de qualquer jeito, sem o menor pudor e sem nenhuma preocupação se há algo de valor ou frágil dentro dela. O retorno das bagagens demora por séculos e, muitas vezes elas ficam perdidas no caminho. Definitivamente, ninguém se importa com o bem estar do passageiro.

E não há diferença entre as companhias. Todas são semelhantes no tipo de qualidade sofrível do serviço prestado.

Bjs

Nanda

A semana foi assim…

15 mar

A minha semana foi assim…

Bjs

Nanda

%d blogueiros gostam disto: