Tag Archives: mãe

Sobre Fazer Intercâmbio

9 dez

“Eu não sabia exatamente como começar a fazer esse texto, mas finalmente estou começando a escrever. Intercâmbio é um sonho, um sonho de muitas pessoas, mas nem todas tem a grande e incrível oportunidade de realizá-lo. E eu tive. Depois de muita insistência. Muito choro. Muitos pedidos. Muitas escolhas. Mas eu consegui! Mais um sonho realizado com sucesso, e agradeço por isso.

O que eu posso falar sobre essa experiência? Bem… Intercâmbio é abrir mão de uma vida inteira. Da sua vida. De tudo e de todos que você conhece. Dos seus costumes e práticas. Intercâmbio é perrengue, é dificuldade, é saudade (e muita saudade). Mas intercâmbio também é amor, felicidade, variedade.

Intercâmbio é aprender a viver de um modo completamente fora da zona de conforto. Intercâmbio é conviver com pessoas “estranhas”, a quem você não tem em quem confiar (no começo). Intercâmbio é desamparo. É se sentir perdido, em outro mundo, com medo do que está por vir. É estranho, inicialmente. Você não se sente confortável nem para pegar um biscoito no pote. Intercâmbio é mais do que um grande mix cultural. É mais do que aprender outro idioma. É mais do que conviver com pessoas diferentes todos os dias. Intercâmbio é realizar que estamos no lugar ideal para crescer. E crescer não só intelectualmente, mas crescer espiritualmente. É aprender não só lidar, mas aceitar as diferenças. É vivenciar momentos inesquecíveis. É se sentir livre, o dono do universo. Intercâmbio é uma escolha. Intercâmbio é um risco. Intercâmbio é uma experiência de vida.

Quatro meses, seis ou um ano. O tempo longe é difícil, todos os intercambistas sentem! Longe da família, dos amigos, da comida típica do seu país, da sua escola, das festas e do seu banheiro não compartilhado com toda a casa (e eu juro que essa é uma saudade forte). Intercâmbio é aceitar regras, e quebrar algumas. Intercâmbio é estar sujeito à tudo e todo tipo de família hospedeira. Intercâmbio é uma vontade, uma vontade de quem está disposto e quem tem coragem em apostar na sorte. Intercâmbio é viver intensamente em outro país. Intercâmbio é ser o dono de si pela primeira vez na vida. É aprender a arrumar cama, lavar roupa e cozinhar. Intercâmbio é passar frio, e MUITO frio. Intercâmbio é se perder antes de se achar. E as vezes, quando você acredita que se achou, acaba se perdendo de novo. Intercâmbio é criar senso. Intercâmbio é dar satisfação para além dos seus pais. Intercâmbio, ao contrário do que muitos acham, é responsabilidade. Intercâmbio é viajar o mundo numa só fase. Intercâmbio é conhecer gente de todo o planeta. Intercâmbio é aprender palavras (adequadas ou não) de outras línguas, em italiano ou em francês. É ouvir outros estudantes discutirem qual idioma é o mais difícil, se é alemão ou eslovaco. Intercâmbio é perceber o quão maravilhoso é poder vivenciar tudo isso. Estados Unidos, Inglaterra, Canadá ou Austrália. Alemanha, Portugal, França ou Suíça. Cada experiência conta. Cada experiência é diferente. Intercâmbio é não criar expectativas, e eu sei o quanto é difícil. Intercâmbio é aceitar os contras e agradecer pelos prós. Intercâmbio é ter aquele professor chato, que passa muito dever e não gosta de pessoas de outra nacionalidade. Mas intercâmbio também é ter aquele legal, que te entende, que apoia suas vontades e necessidades, além de brincar com você na aula. Intercâmbio não é estudo, e passa longe disso. Intercâmbio é farra, isso é fato. É jogar na mão de Deus e sair pela cidade de madrugada à procura do que fazer e sem hora para voltar. Ah, mas quando voltar, tem que ser de fininho, afinal, aqueles que estão dormindo não são os seus pais. Intercâmbio é medo de errar, mas acabar errando muito. Intercâmbio é descobrir coisas novas. É comer o que não gosta (e o que detesta também). Intercâmbio é rezar esperando um jantar que você tenha prazer em comer. Intercâmbio é engordar, não tem como fugir disso. Intercâmbio é sair totalmente da rotina. Intercâmbio é encher seu corpo, alma e coração com as novas vivências. Intercâmbio é se achar na vida. É uma reflexão pessoal. É abrir mão de muita coisa boa, e ser retribuído também. Intercâmbio é se virar nos trinta! Intercâmbio é fazer novas amizades e criar novos laços. Intercâmbio é se apaixonar por um(a) nativo(a) ou por outro(a) intercambista. Intercâmbio é investir em pessoas diferentes. É apostar na boa vontade de cada um. Intercâmbio é estar sujeito a receber todo o tipo de grosseria ao tirar uma dúvida, seja na aula ou seja para se localizar. Intercâmbio é ser cem por cento dependente do Google Maps. É pegar ônibus, trem, táxi e metrô. Intercâmbio é se assustar com os preços, é economizar, aprender o valor de verdade do dinheiro e tentar sobreviver com o resto dele que você gastou no primeiro mês. Intercâmbio não é uma viagem com os pais. Intercâmbio é aprender a levantar depois de cair muito. É errar o caminho de casa, da escola, do centro nos primeiros dias. É pegar o trem errado ou passar da estação certa. Intercâmbio é andar como você nunca andou antes. Intercâmbio é loucura. Intercâmbio é surtar.

Intercâmbio é se surpreender com tudo e todos. É aprender de uma vez por todas quem realmente se importa com você. Intercâmbio é valorizar cada vez mais as amizades verdadeiras e criar coragem para abrir mão das falsas. É de fato começar a não se importar mais com o que estão pensando de você, afinal, você está do outro lado do mundo. Intercâmbio é ter a chance de mudar, mudar para melhor. De evoluir, criar juízo e crescer, como eu já disse. Intercâmbio é saber que você vai se sentir completo pelo tempo que a experiência durar, mas que depois, o vazio vai permanecer pelo resto da sua vida. Intercâmbio é sentimento. É se entregar. É ser quem você sempre quis ser, mas dessa vez, sem alguma repreensão. É mudar o pensamento, o estilo e o paladar. É chorar, rir muito e aproveitar. Intercâmbio é literalmente sorte nas cartas. E caso você ache que não consegue suportar o pior, não desista. Vai servir para a vida. Intercâmbio é se abrir com outras pessoas. É criar intimidade e simpatia por essas mesmas. Intercâmbio é se preencher, e se sentir, pela primeira vez, completamente zerado. Sentir que não precisa de mais nada e mais ninguém. Se sentir bem. Bem consigo mesmo, bem com sua situação, bem com todos ao seu redor.

Agora, como qualquer experiência inesquecível, tudo sempre tem seu fim. Você vai chorar e sentir seu coração despedaçado espalhado pelo mundo todo. É sentir saudade de tudo. Da família hospedeira, das festas, das novas amizades, das tradições do país, de andar na rua à noite e se sentir seguro, das loucuras e surtadas, de tudo, menos do banheiro compartilhado com o resto da sua casa. Intercâmbio é dizer adeus, quando você não está preparado para retornar. Quando você não está preparado para abandonar sua nova rotina, seus novos amigos, sua nova família, sua nova vida. Intercâmbio é voltar para seu país realizado, com a certeza de que viveu os melhores momentos da sua vida. É saber que nunca mais haverá nada parecido com isso. É ter noção que foi uma escolha. Sua escolha. Afinal, a saudade é o preço que precisamos pagar por vivermos meses, histórias, dias e noites tão inesquecíveis quanto foram. “

(Beatriz Mosselman)

Me emocionei!!!!

Bjs

Nanda

Expectativa do retorno da filha

27 nov

Não sei se vocês já sentiram aquela saudade do tamanho do mundo que faz doer na alma mas, eu estou sentindo. Já faz um tempo que a minha primogênita está fora do país, estudando e eu aqui abandonada!

Já conto os dias para a chegada dela. Cada dia é menos um que falta. Em casa tudo já está preparado para a sua volta.

E eu também já estou me preparando para abraçá-la, beliscá-la, mordê-la e conferir se ela está inteirinha e sem faltar nenhum pedaço.

Vou conferir tudinho, se engordou, se emagreceu, se mudou, se cresceu e, principalmente, se amadureceu!

Venha logo, Bia!

Bjs

Nanda

Abraço de urso

9 jul

Sabe quando a gente está morrendo de saudade de alguém e encontra, e não resiste, e corre para o encontro, e dá aquele abraço de urso?!

Pois é… Essa fui eu ontem, depois de 21 dias sem ver a minha filha. Estava roxa de saudades. Quase não tinha falado com ela durante esses dias, mal tinha ouvido a voz umas duas ou três vezes, e mesmo assim, distorcida pela rouquidão da garganta e do cansaço.

Abracei, agarrei, apertei, cheirei, mordi, belisquei… kkkk. Tudo o que uma mãe super, hiper, mega, baster, coruja faz. E quem quiser que diga que foi “mico”! Por mim, pode ter sido o maior “King Kong”, nem me importo!

O que importa mesmo é o gosto do abraço de urso em quem se gosta!

Bjs

Nanda

Vontade de carregar no colo

5 jun

Os filhos crescem e já se acham grandinhos demais para se aninhar no colo dos pais. Se esquecem que somos nós os mais preparados para acalentá-los nos momentos que necessitam de carinho e apoio.

Cada um com suas personalidades e características próprias. Uma é faladeira e conta todos os seus segredos. A outra é calada e não expressa a mínima emoção. Como agir de forma diferente e compreendê-las sem interferir nas intimidades?

Quando vejo que tem problema pairando no ar, a minha vontade é de puxar a “franguinha “ para baixo da minha asa e não largar mais. Colo e denguinho fazem um bem danado!!!

Bjs

Nanda

Dia das mães

13 maio

“Vc é mãe,

Vc é mulher,

Vc é filha,

Vc é o despertador,

Vc é a cozinheira,

Vc é a empregada doméstica,

Vc é a professora,

Vc é o garçom,

Vc é a babá,

Vc é a enfermeira,

Vc é uma trabalhadora braçal,

Vc é a agente de segurança,

Vc é a conselheira,

Vc é o edredom,

Vc não tem feriados,

Vc não tem licença por doença,

Vc não tem dia de folga,

Vc trabalha dia e noite,

Vc tá de plantão o tempo todo,

Não recebe salário e…

Ainda escuta a frase…

“Mas o que você faz o dia inteiro?”

Um texto que li por aí e achei que tinha tudo a ver com o dia de ontem. Espero que todas as mães tenham tido um lindo dia!

Bjs

Nanda

Tudo eeeeuuuuuuu

10 maio

Eu já nem reclamo mais, já sei que sou responsável por tudo mesmo…

Se falta pão, a culpa é minha, se a casa está suja, a culpa é minha, se a empregada não foi, a culpa é minha, se as filhas se atrasam, a culpa é minha.

Pegar a filha na festa é comigo, levar aos compromissos é comigo, cuidar da casa é comigo, até fazer a mudança de casa é comigo.

O apelido de Mulher Maravilha não é à toa e nem vem de hoje. Ser mulher, mãe e dona de casa sempre foi muito pouco. O estudo e o trabalho são combustíveis para a minha vida.

Mas, juro que não reclamaria se recebesse uma ajudinha da família!

Bjs

Nanda

Dezesseis

26 abr

Ainda lembro dos meus dezesseis anos. Tive uma adolescência tranquila e era bem focada nos estudos. Fazia farras, tinha muitos amigos e namorava bastante.

Fico comparando com os adolescentes dos dias de hoje. Minha filha faz dezesseis anos, exatamente hoje. Quantas diferenças…. Quantas modernidades! Quantas liberdades!

Vejo uma juventude muito mais livre e apta a fazer suas escolhas porém, presas em uma zona de conforto por escolha própria. Vejo os dezesseis tão maduros para muitas atitudes e, por outro lado, imaturos para a vida.

Desejo a ela que os dezesseis tragam a maturidade necessária para que ela tome os caminhos mais acertados e suas escolhas estejam de acordo com seus objetivos de futuro.

Parabéns, Bia!

Bjs

Nanda

%d blogueiros gostam disto: